Viva Ciência - Classificação Botânica (Criptógamas)



Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Cript%C3%B3gama

Olá,


Hoje vamos falar de um conteúdo que quase sempre é negligenciado quando os alunos vão estudar.


Vamos falar um pouco sobre a classificação e as características dos grupos botânicos conhecidos como Criptógamos.


Assuntos de botânicas são quase sempre negligenciado porque os alunos não tornam esse conteúdo significativo para suas vidas. E quase sempre isso acontece porque não conseguem entender o real significado das plantas na suas vidas.


Já falamos um pouco sobre em um posto só falando sobre a importância das plantas.


Confere lá: https://www.goclassbrasil.com/blog/viva-ci%C3%AAncia-a-import%C3%A2ncia-das-plantas


Para dar uma forcinha vamos facilitar a compreensão deste conteúdo com algumas dicas e no final, montamos uma tabela super didática para ajudar nos estudos.


Então vamos lá!


Quando estudamos Botânicas, ou seja as plantas, essas estão divididas em 2 grandes grupos: Criptógamas e Fanerógamas.


As Criptógamas são plantas que possuem suas estruturas reprodutivas "escondidas". Por isso o termo "Cripto". Na prática, estas são plantas que não possuem nem sementes, nem flores e nem frutos.


Para facilitar a compreensão vamos estudar das plantas mais simples a mais complexa.


Então vamos por partes.


Vamos começar falando sobre as Briófitas


Briófitas


Bom, primeiro vamos saber quem são as Briófitas.


Quando vemos um musgo ou um hepática, estamos vendo uma briófita.


Musgo Fonte: https://www.rederegional.com/index.php/educacao/24073-sabia-que-o-musgo-esta-ameacado-de-extincao


Hepática. Fonte: https://www.herbwisdom.com/es/herb-liverwort.html



E se você parar para observa essas plantas sempre estão um lugar úmido ou possui água por perto. Se você compreender isso, ficará mais fácil de entender todo o mecanismos por traz das briófitas.


Sim, as briófitas são muito pequenas e precisam viver em lugares de muita umidade, isso acontece porque elas não possuem vasos condutores, ou seja, não tem como transportar água e sais minerais por suas estruturas caso ela fosse grande ou vivesse em algum local onde a água fosse escassa.


Se ela não tem vasos condutores como ela leva água para suas estruturas?


A passagem tanto de água quanto de sais minerais é passada célula por célula, e este é um processo bastante lento. Desta forma, conseguimos justificar o tamanho pequeno dessas plantas, visto que se elas fossem grandes demoraria muito tempo para passar água e nutrientes para todas as suas estruturas. E por causa desta lentidão se vivesse em um ambiente seco e quente logo desidratariam e morreriam.


Por serem muito pequenas as briófitas (ou seja, o conjunto de células são formam verdadeiramente tecido), apesar de apresentar estruturas que desempenham funções cm verdadeiros tecidos.


Sendo assim, as briófitas possuem basicamente de três partes ou estruturas:


rizoides - filamentos que fixam a planta no ambiente em que ela vive e absorvem a água e os sais minerais disponíveis nesse ambiente (exercem a função das raizes)


cauloide - pequena haste de onde partem os filoides (exercem a função do caule)


filoides - estruturas clorofiladas e capazes de fazer fotossíntese (exercem a função das folhas)



Fonte: http://www.universiaenem.com.br/sistema/faces/pagina/publica/conteudo/texto-html.xhtml?redirect=49241378257672811653098603051


Reprodução das briófitas


Costuma-se dizer que as briófitas possuem alternância de gerações em sua reprodução, pois uma fase é sexuada e a outra é assexuada.


As briófitas em geral têm sexos separados, a sua parte reprodutiva chamada de gametófito em alguns períodos produzem uma pequena estrutura, geralmente na região apical - onde terminam os filoides. Ali os gametas são produzidos. Os gametófitos masculinos produzem o gametas chamado de anterozoides (móvel e com flagelo). Já os gametófitos femininos produzem gametas é chamados oosferas (imóvel).


Mais uma vez a água se torna necessária para as briófitas pois os gametas masculinos são levados até porção feminina através da água. E com a união dos gametas masculino e feminino é formado o zigoto que se transforma num embrião que origina uma nova fase assexuada conhecida como esporófito. No esporófito possui uma haste e uma cápsula, a qual forma esporos em seu interior. Cada esporo liberado se transforma em um gametófito e tudo começa novamente .


No entanto a fase dominante é o gametófito.



Fonte:fonte: https://escolaeducacao.com.br/briofitas/


Pterodófita


As pteridófitas são plantas maiores e mais complexas que as briófitas, pois estas já são maiores visto que possuem vasos condutores de seiva.


Como exemplares de pteridófitas temos as samambaias, avencas e cavalinhas, muito utilizadas como plantas ornamentais.



Samambaia. Fonte: https://casa.umcomo.com.br/artigo/como-cuidar-das-samambaias-2897.html

Avenca. Fonte: http://www.plantasonya.com.br/cultivos-e-cuidados/conhecendo-a-avenca.html



As peteridófitas assim como as briófitas vivem em ambientes úmidos, esse hábito das peteridófitas se deve a sua forma reprodutiva predominante que libera esporos e os mesmo precisam ser carregados pela água.


A reprodução deste grupo de plantas é semelhante a das briófitas com alternância de gerações, havendo uma fase com gametófito e um esporófito, sendo esta última predominante.



Ciclo de vida das pteridófitas. Fonte: https://escolaeducacao.com.br/pteridofitas/


As peteridófitas possuem tecidos verdadeiros, tendo seu corpo dividido em Raíz (com função de absorção de água e nutrientes e fixação), Caule (com função de condução de seiva) e Folhas (com função de fotossíntese).


Reprodução das Pteridófitas


As pteridófitas podem se reproduzir de maneira sexuada ou assexuada. Quando se reproduzem de maneira assexuada, esta acorre por brotamento, ou seja, com o desenvolvimento dos rizomas, se formam brotos em pontos espaçados, são os estolões ou estolhos. A partir desses pontos crescem folhas e raízes. Ocorre a seguir a fragmentação ou decomposição do rizoma nos espaços entre os brotos, que torna as plantas separadas.


As samambaias quando atingem a fase de reprodução desenvolvem os esporos, a partir de células localizadas dentro dos esporângios. Os esporângios, por sua vez, são reunidos dentro de estruturas chamadas soros, que se localizam na superfície inferior das folhas das samambaias.


Soros. Fonte: https://descomplica.com.br/blog/biologia/resumo-briofitas-pteridofitas/


Ao se deparar com uma condição favorável o esporo, origina o prótalo, que é um gametófito hermafrodita, pois lá são produzidos as estruturas reprodutivas tanto femininos (arquegônio) quanto masculina (anterídeo).


Nos arquegônios são produzidos os gametas femininos (oosfera ) e no anterídio, os gametas masculinos (anterozoides).


Quando o gametófito encontra uma condição favorável, por exemplo um ambiente úmido ou de chuva, os gametas masculinos nadam até o gameta feminino, quando é realizada a fecundação e desta forma se forma o zigoto, o qual irá se desenvolver e formar uma nova planta. Desta vez a planta formada será um esporófito, recomeçando o ciclo.


Sendo assim, podemos dizer que nas pteridófitos também há alternância de gerações.


Agora para facilitar o que você aprendeu até agora fizemos uma tabelinha com as principais características desses dois grupos.





Esperamos este post tenha ajudado a entender um pouco mais esses dois grupos.


Até a próxima




Equipe GoClass

©2018 by GoClass.